DEPOIMENTOS SOBRE O VÍDEO NAS ALDEIAS

Claude Levi-Strauss

Antropólogo
"O DVD (O Amendoin da Cotia) que você me emprestou é de longe o melhor filme que eu jamais tenha visto sobre índios da América do Sul. Tudo é acertado: a escolha dos temas, das locações, o enquadramento; e a qualidade das imagens é notável. Temos constantemente a sensação de poder ver a vida indígena de dentro...A cura xamanística é uma sequência antológica."

Ivana Bentes
Pesquisadora de cinema e comunicação, professora da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
"Para além do pioneirismo, o projeto Vídeo nas Aldeias, coordenado por Vincent Carelli, chega em uma etapa decisiva e radical ao formar uma geração de realizadores indígenas que vêm fazendo uma espécie de “auto-etnografia” ou autodocumentário, em que os próprios índios registram e editam suas imagens, passando de objetos a sujeitos do discurso.
O resultado sem dúvida não vem de nenhuma espontaneidade ou milagre. Pode-se vislumbrar a dinâmica de oficinas repetidas, participação da comunidade na escolha de temas, a construção dos personagens escolhidos e, em outros vídeos até a experimentação com encenações e desenho animado.
Esse cinema é uma aposta na imagem não apenas como representação de si para os outros, mas radicalmente como a descoberta de uma forma de pensamento audiovisual, uma aldeia audiovisual global, em que a singularidade dos índios brasileiros se encontra com a singularidade e vigor do documentário e das questões do cinema contemporâneo."

Isaac Pinhanta
Realizador e professor Ashaninka
"O vídeo é uma porta de incentivos, de você ver experiências novas e querer fazer também, organizar a sua produção, reflorestar, enriquecer a sua alimentação, seus recursos naturais. O vídeo foi muito importante nesse sentido de registrar o nosso projeto, de poder mostrar para as outras aldeias.
Mas o importante não é só conhecer os Ashaninka, o importante é conhecer de que maneira nós estamos defendendo nosso povo, a nossa terra. O nosso sistema de organização pode servir de exemplo para outros, como o sistema de organização deles pode servir para nós. É uma troca através do vídeo, porque muitas vezes a gente não pode ir até lá, mas o vídeo vai lá.
Então a gente quer entender esse processo, porque a gente só vai se defender quando entender esse processo e esses instrumentos. O computador, a escrita, a tv e o vídeo são instrumentos ideais para aprofundar o nosso conhecimento."

Jean Claude Bernadet
Crítico de cinema e cineasta
"Vistos no quadro do seminário Formação do Olhar de 2003 em São Paulo, estes filmes me encantaram. O que eles têm de tão especial? Há uma relação íntima entre a câmera e a pessoa filmada. Essa observação atenciosa dos gestos das pessoas, esse respeito à situação em que elas se encontram é algo que me parece ter sumido totalmente, ou quase, do cinema documentário brasileiro. Temos muito o que aprender com eles."

Ruben Caixeta
Antropólogo e diretor do Festival de Documentários de Belo Horizonte - ForumDoc
"É necessário forçar o mundo ocidental ao reconhecimento de que há outras maneiras de ver o mundo, de viver e de pensar, e, em decorrência, há uma outra maneira de realizar filmes para além daquele tão lugar comum da televisão. (…)
Nesta nova safra de vídeos destacamos obras-primas como No Tempo das Chuvas (2000) e Shomõtsi (2001)."

Andréa França
Pesquisadora de cinema e comunicação, professora do Departamento de Comunicação Social da PUC/RJ, coordenadora do Curso de Cinema da PUC/RJ
"Para além da intimidade e da cumplicidade entre aquele que filma e aqueles que são filmados, patente em todos os planos de cada um desses documentários, existe um desejo de filme que não está somente do lado dos índios videastas, mas do outro lado da câmera também: há um desejo de filme tão grande quanto o desejo daquele que filma e, ao tornar esse desejo visível, atuante, falante, essas imagens criam um cinema absolutamente igualitário, um cinema onde cada corpo - seja ele da planta, da concha, do jacaré, da cutia, da criança, do velho - tem o mesmo valor que um outro para a câmera, todos eles igualmente diferentes, importantes e únicos".


P
RÊMIOS
  • Prêmio UNESCO, por respeito à diversidade cultural e de busca de relações de paz interétnica, em 2000.
  • Prêmio Especial do Júri do XII CINE CEARÁ para o projeto Vídeo nas Aldeias, em 2002
  • Prêmio Chico Mendes, do Ministério do Meio Ambiente, pela valorização das referências culturais e ambientais das populações da Amazônia, em 2003.
  • Prêmio UNESCO pela contribuição à preservação do patrimônio imaterial, em 2005.
  • Prêmio em homenagem ao Vídeo nas Aldeias do 25º FESTIVAL INTERNACIONAL DU FILM D’AMIENS, na França, em 2005.
  • Prêmio em reconhecimento ao Vídeo nas Aldeias no VIII FESTIVAL INTERNACIONAL DE CINE I VIDEO DE LOS PUEBLOS INDÍGENAS, em Oxaca no México, em 2006.
  • O projeto Vídeo nas Aldeias foi selecionado para constar entre as 100 experiências brasileiras em desenvolvimento sustentável pela Consulta Nacional, Agenda 21, promovida pelo Ministério do Meio Ambiente.
  • Video nas Aldeias recebeu ainda pelos vídeos que produziu mais de 70 prêmios em festivais nacionais e internacionais, sendo a maioria para vídeos de autoria indígena.
  • Vídeo nas Aldeias recebeu a Ordem do Mérito Cultutral 2009 do governo brasileiro.

RETROSPECTIVAS E MOSTRAS VÍDEO NAS ALDEIAS


1996 – Retrospectiva de documentários do Vídeo nas Aldeias no evento ”Vídeo-Autor” no Centro Cultural Banco do Brasil, Rio de Janeiro.
1997 – Mostra Vídeo nas Aldeias Centro Cultural Itaú, Belo Horizonte
1998 – Retrospectiva de 10 anos de Vídeo nas Aldeias no MIS - Museu da Imagem e do Som de SP
2001 – Mostra especial do Vídeo nas Aldeias no Festival de Cinema de Vitória
2002 – Mostra especial Vídeo nas Aldeias no Festival Sami de Vídeo e Cinema em INARI, na Finlândia
2004 – Mostra Vídeo nas Aldeias – Um olhar Indígena, CCBB, Rio de Janeiro
2005 – Mostra e homenagem especial ao Vídeo nas Aldeias com a apresentação de 13 vídeos em versão francesa no 25º Festival International du Film d’Amiens
2006 – Mostra Vídeos e Realizadores Indígenas, no Itaú Cultural em São Paulo
2006 – Mostra Vídeo nas Aldeias – Um olhar Indígena, Teatro Nacional, Brasília
2006 – Mostra Vídeo nas Aldeias no Evento Cinema/vídeo um dos olhares da ficção/realidade etnográfica, em Dourados no Mato Grosso do Sul
2006 – Mostra Vídeo nas Aldeias no Festival de Inverno de Ouro Preto.
2008 – Mostra “A view from the Villages” organizado pelo National Museum of the American Indian em Nova Iorque e Washington

PUBLICAÇÕES


Graças à originalidade e à repercussão da proposta, as relações que o Vídeo nas Aldeias mantém com diversas universidades brasileiras e estrangeiras, especialmente no campo da antropologia visual, abrem espaços para pesquisas de interesse acadêmicos, facilitando a produção de um material reflexivo sobre a questão e sua divulgação entre os estudantes universitários.

A seguir, incluímos uma relação não extensiva das publicações referentes ao projeto e sua participação em diversas atividades, ao longo de sua existência. Estes textos foram publicados, em sua maioria, em revistas de cinema e antropologia visual.

CARELLI, Vincent. - Video in the Villages: Utilisation of Videotapes as an instrument of Ethnic Affirmation Among Indian Groups, CVA Newsletter, 1988.
------- Vídeo nas Aldeias: um encontro dos índios com sua imagem - Tempo e Presença, vol.270: 35-40, CEDI, 1993.
------- The Project and the documentaries: two distinct and complementary dimensions of the Video in the Villages Project, New York University, Center for Media, Culture and History, ms., 1995.
--------- Projeto Vídeo nas Aldeias: um encontro dos índios com sua imagem (Projeto de Pesquisa Integrada / Conselho Nacional de Pesquisa), 1994.
Carelli, V. & Gallois, D.T. - Vídeo dans les Villages: l ‘ experience Waiãpi, Lumières Cinéma, 1992.
-------- Cinema e povos indígenas: Experiências - Seminário II - (org.) Patrícia Monte-Mor e José Inácio Parente - Cinema e Antropologia: Horizontes e Caminhos da Antropologia Visual, Interior Produções, Rio de Janeiro, 1994.
-------- Vídeo e diálogo cultural - Revista de Antropologia Visual, vol.2, UFRS, 1995.
-------- Diálogo entre povos indígenas: a experiência de dois encontros mediados pelo vídeo - Revista de Antropologia, vol.38/1, USP, 1995.
-------- Índios Eletrônicos, revista CINEMAIS, Rio de Janeiro, 2000.
-------- Moi, um Indien, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena, Rio de Janeiro, 2004.
CORRÊA, Mari. Vídeo das Aldeias, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena, Rio de Janeiro, 2004.
--------- Vídeo nas Aldeias no olhar do outro, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena, Brasília, 2006.

Alguns textos analisando os resultados do projeto:

CEREGHINO, M - Vídeo d’autore dalla floresta pluviale amazônica - Le Culture, Il Manifesto, 1993.
AUFDERHEIDE, P. - The Video in the Village’s Project: vídeomaking with and by Brazilian Indians - Visual Anthropology Review, vol.11/2, 1995.
GINSBOURG, Faye, “Videoparentesco: um ensaio sobre A Arca dos Zo’é e Eu Já Fui Seu Irmão”, Cadernos de Antropologia e Imagem 6, Rio de Janeiro, 171-181, 1998.
Robert Stam, João Luiz Vieira and Ismael Xavier, The Shape of Brazilian Cinema in Postmodern Age, 459-463, Brazilian Cinema, EUA, 1995.
BERNADET, Jean-Claude. Vídeo nas Aldeias, o documentário e a alteridade, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena, Rio de Janeiro, 2004.
PINHANTA, Isaac. Você vê o mundo do outro e olha para o seu, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena, Rio de Janeiro 2004.
QUEIROZ, Ruben Caixeta de. Política, estética e ética no projeto Vídeo nas Aldeias. Catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena, Rio de Janeiro, 2004.
BENTES, Ivana. Câmera muy very good pra mim trabalhar, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena. Rio de Janeiro, 2004.
MONTE, Nietta Lindenberg. A formação dos realizadores indígenas, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena. Rio de Janeiro, 2004.
KRENAK, Ailton. Cinema de Índio, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena. Rio de Janeiro, 2004.
ESCOREL, Eduardo. Nós aqui e vocês aí, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena. Brasília, 2006.
FRANÇA, Andréa. A livre afirmação dos corpos como condição de cinema, catálogo Mostra Vídeo nas Aldeias: Um Olhar Indígena. Brasília, 2006.
GOLDSTEIN, I. S. Iauaretê, cachoeira das onças: um registro fílmico de patrimônio imaterial. IN: Proa - Revista de Antropologia e Arte [on-line]. Ano 01, vol. 01, n. 01, ago. 2009. Disponível em: http://www.ifch.unicamp.br/proa/resenhas/resenhailana.htm